WatchMyCar – meu tcc que quer dar certo

“É incrível o poder de uma idéia.”

Digo isso, pois passei por diversas experiências e aprendizados graças a uma.

No 3° ano da faculdade, me deparo com a tarefa de escolher um tema para o meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso, para os menos familiarizados com o termo). Não foi uma tarefa complicada, pois sempre estou pensando em soluções de problemas do dia-a-dia. Sem contar que eu inclusive já tinha uma proposta da minha professora de Engenharia de Software para construir um sistema para auxiliar alunos nas aulas de construção de diagramas e documentação de sistemas.

Apesar do tema sugerido pela minha professora ter um alto grau de interesse acadêmico, não me gerou tanto entusiasmo. Se fosse para fazer um projeto, queria que a razão de fazê-lo fosse maior que a minha vontade de passar de ano. Queria fazer algo útil e funcional e que despertasse o interesse das pessoas.

A ideia do projeto, veio após uma junção de acontecimentos. O primeiro foi o assalto ao carro do meu pai. Depois de ter o carro levado, o seguro foi acionado, e o carro foi localizado pela polícia um dia depois, porem todo destruído. Meu pai teve que arcar com um parte do conserto. Porem, após isso, não tínhamos a menor ideia de quem havia levado o carro. E mesmo se tivéssemos, não teríamos como provar. O segundo acontecimento, foi a descoberta de um aplicativo chamado Cerberus, o aplicativo com uma proposta de ser um app anti-furto, que tinha uma das características mais interessantes, que era a de, após três tentativas de desbloquear o celular, o aplicativo tirava uma foto do rosto da pessoa e enviava por email. Essa combinação fez surgir a solução para o problema.

Criar provas contra o assaltante não é algo muito explorado no ramo de alarme automobilístico. Muito por falta de interesse dos players do mercado, porem, isso gerou um interesse meu, em disponibilizar isso no mercado.

No terceiro ano da faculdade, fomos incentivados a criar o plano de negócio e pensar de forma empreendedora para levar a idéia para o mercado, o que deixou o grupo empolgado. Desenvolvemos desde Canvas, até video com o pitch do projeto. Fazendo com passássemos por muitas das dificuldades para simular como é “começar um negócio”.

Devido ao desempenho do grupo, ganhamos notoriedade dos professores e com isso, fomos convidados a apresentar o projeto na Feira do Futuro da Universidade São Judas Tadeu. O problema era: o projeto estava longe de terminar e necessitava de uma reformulação.

Apesar de ter apenas um mês de prazo, aceitamos o convite, e desenvolvemos o projeto do zero. Conseguindo a tempo apresentar com excelência na Feira. Era notável o nosso envolvimento com o projeto.

Após a Feira, o próximo objetivo seria a apresentação do TCC a banca. Objetivo que foi cumprido tranquilamente, muito por parte de que os professores já conheciam de cabo a rabo o projeto devido a apresentação na Feira.

Ao termino do ano, decidimos nos inscrever na competição de startups da Campus Party, nomeada de “Campus Future“. Tivemos a surpresa de sermos selecionados a participar.  E assim, começamos o ano de 2016 empolgados, com um projeto que prometia ser muito maior que um simples TCC.

Chegamos a Campus Party, preparamos os nossos equipamentos para dar continuidade ao desenvolvimento do projeto. E no meio da tarde de um primeiro e empolgante dia, recebi uma ligação de uma produtora da emissora Globo, informando que tínhamos sido indicados pelo evento a participar de uma entrevista para o Programa do Auto Esporte. E sem pestanejar aceitamos.

Entrevista feita, time exausto, porem mais incrédulos que nunca, sobre todas as portas que aquela entrevista tinha aberto. Não calculávamos a notoriedade que ganharíamos.

Pós-Campus Party, o marketing da nossa faculdade entrou em contato, para informar que o setor de tecnologia da revista Exame, gostaria de fazer uma entrevista com o time para saber mais sobre o projeto.

E assim foi indo, notoriedade, pessoas nos procurando para saber mais sobre o projeto, possíveis investidores disponíveis. Tudo uma maravilha aos nossos olhos inocentes sobre o mundo.

Com isso veio a nossa primeira descoberta, a falta de organização do time pós toda a notoriedade e pressão sobre os eventos. Não tínhamos um comprometimento com as nossas reuniões, fazendo com que elas fossem cada vez menos marcadas e correspondidas. O andamento do projeto foi ficando cada vez mais devagar, com os passos em velocidade de tartaruga.

Encontramos a nossa segunda dificuldade, o desenvolvimento do hardware do projeto. Não achamos pessoas confiáveis ou empresas que nos ajudassem a construir nosso primeiro hardware, o que fez o grupo desmotivar. Fazendo com que procurássemos cada vez menos pessoas novas.

A falta desta peça importante, junto com a falta de planejamento o grupo, cessou de vez a nossas atividades. O projeto ficou por um bom tempo, estacionado. Sem novidades, nem empolgação para continuar.

Um ano de 2016 que parecia ser o ano mais empolgantes das nossas vidas, se tornou uma lembrança do pico da mídia que o nosso projeto recebeu.

No ano de 2017, decididos a mudar o rumo do projeto, vamos dar alguns passos para trás, replanejar e buscar nos organizar cada vez mais. Introduzir uma nova metodologia de planejamento, e ter um novo hardware, um mais simples e que já tenha aprovação do mercado. Trabalhando no que a gente sabe de melhor que é o software.

Aqui esta o site antigo do WatchMyCar se quiser dar uma olhada no que era a nossa idéia. www.watchmycar.com.br

Que eu venha aqui escrever mais sobre o sucesso desse meu projeto, que não descansarei até ir ao mercado.